Terça, 14 de agosto de 201814/8/2018
(86) 9 9998-4992
Parcialmente nublado
22º
31º
33º
Castelo Do Piaui - PI
Erro ao processar!
sheldo
ESPECIAIS
Cânion do rio Poty abriga paraíso arqueológico há mais de 5 mil anos
-
Postada em 08/03/2016 ás 14h11 - atualizada em 10/03/2016 ás 12h37
Cânion do rio Poty abriga paraíso arqueológico há mais de 5 mil anos


O Cânion do rio Poti, localizado na serra da Ibiapaba, entre os estados do Piauí e Ceará, abriga um dos mais importantes acervos de gravuras rupestres do mundo. Mais especificamente, no Poço da Bebidinha, em Buriti dos Montes, é possível visualizar imagens gravadas nas pedras há mais de 5 mil anos, e que podem dar a pesquisadores respostas sobre  o modo de vida das antigos povos que habitavam a região.



Diferente das pinturas rupestres, encontradas na Serra da Capivara, pintadas, as gravuras do Cânion do Poty foram talhadas nas pedras. A hipótese é que as inscrições eram feitas com uso de material mais duro que as rochas, o que ainda é alvo da investigação dos pesquisadores que atuam na área.




A equipe do Arqueólogo Rubens Luna estuda as potencialidades rupestres do Poço da Bebidinha. Ele explica que, apesar de recentes, as pesquisas já apontam para a importância, a nível mundial, das gravuras encontradas no cânion do Poty. “É algo que não ocorre em nenhum lugar do mundo. Existem inúmeros cânions, mas nenhum com um sítio arqueológico de tamanha importância”, pontua.


As gravuras, segundo Rubens Luna, podem contribuir para o entendimento do modo de vida dos povos que habitavam a região. “Era a forma que eles tinham de transferir conhecimento. Ali estão representados símbolos que, certamente, tinham uma função social, seja de identidade étnica, marcação do tempo, ciclos de produção agrícola”, explica o arqueólogo. 


Apesar da inegável importância, ainda não é possível mensurar o real valor das gravuras do Poço da Bebidinha. Localizado em uma região ainda preservada, no meio da caatinga, ele esconde mistérios, e respostas buscadas por pesquisadores de todo o mundo. “A riqueza patrimonial daquela região é enorme, e ainda desconhecida”, explica Rubens Luna.




Para manter a preservação do patrimônio arqueológico, e facilitar os trabalhos de estudo, pesquisadores cobram que o Poço da Bebidinha se transforme em um parque ambiental, protegido da ação humana, e de qualquer tipo de degradação que possa danificar o que para os pesquisadores é um verdadeiro tesouro. “É preciso criar, urgentemente, um mecanismo de gestão para aquela área”, cobra o arqueólogo Rubens Luna, que nos últimos meses tem se dedicado a buscar, junto ao poder público, soluções para preservar o patrimônio arqueológico da região.



Fonte: portalodia.com


 


 


tags:
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

Publicidade

Linconl
Facebook

Publicidade

OMS

Publicidade

Neto Moto Peças

Publicidade

auto sabor
Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
241 votos - 30.7%

Lula
216 votos - 27.6%

Geraldo Alckmin
152 votos - 19.4%

Alvaro Dias
63 votos - 8.0%

Marina Silva
48 votos - 6.1%

Michel Temer
33 votos - 4.2%

Rodrigo Maia
31 votos - 4.0%

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium